Pular para o conteúdo principal

Casal leva porrada...




Na cidade do Porto, Portugal, um casal de sem-teto supostamente drogado foi espancado por populares, principalmente por uma mulher e um homem, por estar se acariciando na tarde de terça-feira (9) na rua pedonal de Santa Catarina, uma das mais movimentadas da cidade.

Um vídeo colocado no Youtube [reprodução acima]  no mesmo dia impressiona pela violência.

A vendedora Fernanda Silva assim descreveu o que os sem-teto faziam: “Beijavam-se, rebolavam, ele metia-lhe as mãos nas cuecas. Elas já estava com os peitos de fora e não se importavam com as centenas de pessoas que estavam a passar na rua”.

Fernanda contou que a primeira a atacar o casal foi uma senhora que estava com o filho. “E a velha deu porrada”, disse ela, referindo-se à mulher que deu um tapa no rosto da sem-teto (foto).

O casal fugiu antes que apanhasse mais e chegasse a polícia.

Porto tem população de 216 mil habitantes (dados de 2008) e fica a 313 km de Lisboa.

Em algumas cidades da Inglaterra, relação sexual em locais públicos –e não precisa ser de sem-teto – é tão comum, que quase ninguém repara. Até foi cunhado a palavra “dogging” para "sexo na rua".

Dezenas de sites indicam os melhores lugares onde se pode praticar o “dogging”, geralmente em cantos discretos de praças. Muitas das pessoas que vão a esses locais se conhecem pela internet, têm o encontro e nunca mais se veem.

O site Swinging Heaven, por exemplo, diz ter mais de um milhão de associados. Ele dá alguns conselhos, como o de que só deve se aproximar de um “dogging” quem for convidado. Alguns dos adeptos dessa prática relatam suas experiências em sites de relacionamento social.

Ao Correio da Manhã, de Portugal, a leitora Ana Lima, sobre o episódio em Porto, escreveu: “"Não concordo com esta violência, deveriam ir presos os que bateram pois era só chamar a polícia e mais nada, os covardes que bateram, bateram em pessoas que estavam drogadas...repudio esta violência gratuita. Covardes!"

Talvez o casal que apanhou devesse se mudar para a Inglaterra.

Com informação do Correio da Manhã e da Folha de S.Paulo.

Frequentador de parque Ibirapuera propõe oficializar áreas para sexo

> Amaral vi o mendigo beijando outro e mata os dois. (abril de 2009)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…