Pular para o conteúdo principal

Casal cuida bem de criança virtual e deixa filha real morrer de fome

Casal cuida bem de criança virtual e deixa filha real morrer de fome

A criança virtual
Anima, a criança que recebia toda a dedicação

A criança real.
O bebê morreu de inanição

Um casal sul-coreano – ele com 45 anos e ela com 25 – passava a maior parte do tempo jogando game. A sua filha de três meses ficava sozinha em casa. Ela era alimentada por apenas uma mamadeira por período.

Numa manhã de setembro do ano passado, depois de passar a noite toda no cybercafé, o casal de sobrenome Kim encontrou a filha morta.

A polícia descobriu que a criança tinha morrido de fome. O corpo estava magro, subnutrido.

O casal gosta muito do jogo Prius, que se trata de proteger a menina virtual Anima -- que estava sendo muito bem cuidada.

Os Kim obtêm boa boa pontuação na defesa de Anima dos ataques de personagens malvados. Eles só não conseguiram defender o bebê de seu próprio vício.

Nesta terça (2), a polícia prendeu o casal  -- que estava fugido -- na província de Gyeonggi, próximo de Seul, informa a agência Efe.
 
O casal, que se conheceu pela internet, fica mais de 12 horas por dia ligado em games. Naquele país, não se trata de um caso isolado.

A população da Coréia de Sul é de 49 milhões de pessoas. Desse total, 17 milhões são jogadores. Os considerados pelo governo como viciados são 300 mil. Destes, de acordo com dados de 2007, os casos mais graves chegam a 30 mil.

Casos como o do casal Kim ou o do homem de 32 anos que recentemente morreu depois de ficar cinco dias conectados na internet.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…