Pular para o conteúdo principal

Sobre as escolhas


O que é ser mãe. Esta é uma pergunta que parece obvia, mas talvez não seja. Quando fazemos esta pergunta estamos não apenas nos perguntando sobre um papel social deste ser da mulher, mas o que a sociedade quer com a resposta. Não é apenas o que é ser mãe, mas o que quer a sociedade.
Como quer a sociedade os filhos do futuro, que tipo de gente achamos que devemos formar, que tipo de gente formamos nas últimas décadas. Quando olhamos para pessoas de 20, 25 anos ficamos contentes com o resultado ou não sabemos mais quem são, nem ao menos conseguimos nos identificar com eles?
A questão não é uma pergunta para a mulher, é uma pergunta para todos nós. Todos somos mães, mãe dos nossos filhos, mães dos nossos alunos, mães dos nossos amigos, dos nossos colegas, as pessoas que conosco trabalham, nosso cotidiano transpira escolhas que fazemos todos dos dias.
O que quero dizer é que a sociedade que ai está é escolha nossa. Se individualista, dividida, fragmentada, consumista, poluidora, temos que aceitar que fomos mães disso tudo. Se nossos filhos tem uma vida que não conseguimos saber exatamente o que é foi por que permitimos que isso ocorresse. Se cada vez fala-se menos de amor, de solidariedade, de paz, de harmonia, de comunhão, e cada vez mais nos identificamos menos com o que ai está é por que nós quisemos que as coisas fossem assim. Como uma aluna minha de 15 anos me disse certa vez. Será que se na minha casa não houvesse elevador, meu pai teria ficado mais comigo.
Ter um elevador em casa exige tempo para trabalhar e comprá-lo, isso significa que este tempo será subtraído de algum lugar ou de alguém.
Ou como disse um professor meu amigo na ocasião do aniversário de 15 anos de sua filha. “Luciano, não acredito que ela tá fazendo 15 anos, não vi passar, onde eu estava”.
A pergunta sobre o que é ser mãe nos coloca uma questão sobre o que queremos. E esta pergunta está sendo respondida com o fato de que cada vez mais as pessoas não querem ter filhos, podemos concluir duas coisas fundamentais disso.
Primeira é que a sociedade vê cada vez menos razão em ter filhos, não há mais alegria em tê-los pode ser uma razão. E segundo, como lidar com a família num ambiente social em que os discursos são apenas do trabalho, do prazer e da felicidade individual.
Amanhã na semana de psicologia da Unorp a partir das 19 horas estarei tratando deste tema. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…