Pular para o conteúdo principal

Serra sentiu o tranco

Depois do debate da Band Dilma assumiu a dianteira e passou a determinar a agenda da campanha. Serra não esperava a Dilma no ataque e sentiu o baque. No debate da Band, Dilma desmontou a central de boatos do Serra e colou nele a responsabilidade pela boataria; de quebra responsabilizou Monica Serra, sua mulher, pela pior frase da eleição contra ela, Dilma. Serra não saiu em defesa da mulher o que foi mal avaliado nas pesquisas qualitativas feitas com eleitorado. Por fim, trouxe à tona a privataria tucana, não há tucano que resista ao tema. No debate de ontem na REDETV/FOLHA o tema da privataria voltou e com mais dados, e a eterna sombra que paira sobre o tucanato, "eles vão continuar privatizanfo ou não?". Serra entortou, para piorar o Paulo Preto que no debate da BAnd havia surgido por sugestão da Dilma, ontem voltou com mais contundêcnia com a agravante de que Serra que em um dia não conhecia e no outro disse que o PAulo Preto competente, no debate de ontem engasgou, falou de racismo e que o Paulo, se preto ele não sabia, apenas conhecia por Paulo Sousa, o que deu na mesma. Comparados números que o Serra adora e a Dilma também, se deu melhor a Dilma que certamente tem fartos números para mostrar. Serra empoleirou-se no tema da educação que em São Paulo é o mesmo que falar do demonio dentro da Igreja. Não convence por que é uma mentira; o famoso dois por professores por classe é apenas duas coisas ruins ao mesmo tempo e mal pagos.
De saída, Dilma estanca a queda nas intenções de votos, consegue a imparcialidade de Marina e retoma o clima em sua campanha que se aprumou novamente depois da péssima semana pós primeiro turno. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…