Pular para o conteúdo principal

Paraibuna nas eleições

Enviado por e-mail    
Como bom paraibunense gosto de comentar a política, então vamos aos números e fatos desta eleição.
            Os 3.325 votos do Dr. José Cláudio deram uma injeção de animo na cabisbaixa oposição. Dr. José Cláudio, que não conseguiu se eleger em nenhuma das três eleições que disputou, diz que não será candidato a prefeito em 2012, o que nos permite mais um leque de questionamento.
            Se ele diz que não vai ser candidato a prefeito, qual é o motivo de toda essa euforia liderada pela ex-primeira dama? Ele será candidato a vice novamente? Candidato a vereador? Sendo assim, quem será o candidato da oposição? Não sei, ninguém sabe, nem a cúpula da oposição tem certeza de quem poderia disputar com o mínimo de chances contra o atual governo.
            João Batista não tem força no próprio grupo, Dr. Fernando seria o tiro de misericórdia, a volta do Loureiro é lenda, quem sabe a própria ex-primeira dama, Fabiana. Entretanto esses são pormenores, a atual gestão vem conduzindo a cidade com inteligência, transparência e dignidade, salvo os tropeços do terceiro reich.
             As forças políticas ligadas ao atual governo foram divididas para ajudar a eleger vários candidatos, que certamente retribuirão o favor. Somado o voto destes candidatos e comparado a votação do Dr. José Cláudio, ele perderia supostamente a sua quarta eleição. Veja os números: Dr. José Claudio 3.325 (32,88%); Vaz de Lima 1.470(PSDB); Carlinhos de Almeida 1.089(PT); Valdemar Costa Neto 525(PR); Junji Abe 318(DEM); – total 3.402, não podemos esquecer ainda que Emanuel Fernandes, Tiririca e Tandão somam 1.207 votos na cidade.
            Comparativamente a oposição, que apoiou apenas o Dr. José Cláudio, não obteve os 37,57% dos votos que conseguiu em 2008 na tentativa de reeleger seu prefeito. Como já foi dito Dr. José Cláudio não foi eleito, mas Vaz de Lima, Carlinhos de Almeida e Valdemar Costa Neto foram eleitos e certamente Paraibuna não será esquecida por eles que já ajudaram a cidade.
            Falta ainda nesta matemática os Deputados Estaduais eleitos. Samuel Moreira 1.258; Edinho Silva 909; Estavam Galvão 673; Padre Afonso 540 – todos apoiados pelas forças políticas do atual governo.
            Por fim, a votação supostamente expressiva do Dr. José Cláudio serviu para lembrar ao povo da conduta agressiva da oposição que fez panelaço mais uma vez, agora à frente das casas de algumas pessoas que encabeçaram a campanha dos candidatos apoiados pelo atual governo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…