Pular para o conteúdo principal

O pavor da classe média

Luciano Alvarenga
Um pavor toma conta da classe média tradicional no Brasil, especialmente em São Paulo. Mas quem é esta classe media tradicional. Em vez de falar de renda vou falar de coisas que ela sempre possuiu e que a distingue do povo.
A Classe média sempre teve carro, com vidros elétricos e ar condicionado, enquanto o povo sempre andou de ônibus. Sempre teve casa própria em bons bairros ou condomínios, enquanto o povo sempre pagou aluguel ou morou de favor. Comia iogurte e carne enquanto a massa comia mortadela. Esta classe média sempre teve equipamentos domésticos eletrônicos como televisão, maquina de lavar, microondas, freezer, geladeira, enquanto a massa teve rádio e depois de algum tempo TV colorida de 15 polegadas. Num pais de analfabetos a classe média ostentava titulação universitária, os sempre chamados de doutores.
O pavor da classe media tradicional sempre foi cair economicamente para a classe do povo. Ter que andar de ônibus ou mandar os filhos para a escola pública seria a confissão de derrota, fracasso social. Por isso sempre teve carro, pagou escola particular e saúde privada.
Pelo medo de ser rebaixada economicamente a classe media sempre foi conservadora politicamente. Vota nos candidatos que advoguem seus interesses políticos e sociais.
A grande questão agora e esta é uma das mudanças mais significativas no Brasil nos últimos 50 anos, é o fato de que a classe média não caiu para a classe do povo, mas o fato de que alguma coisa em torno de 60 milhões de pessoas passaram a fazer parte da classe média. Gente que vai de 1500 reais até 4800 por mês de ganho.
Qual é o maior medo de quem está numa festa vip. Que abram os portões e deixem todos entrarem. O vip deixa de ser VIP. Carro, casa, eletrodomésticos, diploma, sinais antes de status e da identidade da classe média, agora estão sendo incorporados por uma massa gigante de gente e que gera na classe tradicional uma profunda crise de identidade.
Se isso era o que nos distinguia e que nos dava identidade, o que nós somos agora é o que se pergunta esta classe a si mesma e explica muito do terrorismo eleitoral na internet este ano.
A classe AAA anda de helicóptero e passa o fim de semana na Europa quando está de saco cheio. Mas e a classe media? A classe media tradicional continua andando de carro, ainda que carros de mais de 100 mil reais, mas tem de agüentar o congestionamento ao lado de um neo ascendente parado na mesma rua num carro popular comprado a prazo.
O mundo da classe média foi invadido pela nova classe C, de repente tem que agüentar alguém no cinema que ela não tolera. O fato é o seguinte, a classe media tradicional vai desaparecer, o que preponderá será estes novos ascendentes com sua cultura de quem vem de baixo.L.A

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Classe média alta de Rio Preto no tráfico de drogas

Cocaína e ecstasy rolam solto na alta rodaAllan de Abreu Diário da Região Arte sobre fotos/Adriana CarvalhoMédicos são acusados de induzir o consumo de cocaína e ecstasy em festas raveFestas caras com música eletrônica e bebida à vontade durante dois ou três dias seguidos, promovidas por jovens de classe média-alta de Rio Preto, se tornaram cenário para o consumo de drogas, principalmente ecstasy e cocaína. A constatação vem de processo judicial em que os médicos Oscar Victor Rollemberg Hansen, 31 anos, e Ivan Rollemberg, 25, primos, são acusados pelo Ministério Público de induzir o consumo de entorpecentes nesse tipo de evento.

Oscarzinho e Ivanzinho, como são conhecidos, organizam há seis anos a festa eletrônica La Locomotive. A última será neste fim de semana, em Rio Preto. Cada festa chega a reunir de 3 mil a 4 mil pessoas. Segundo a denúncia do Ministério Público, os primos “integram um circuito de festas de elevado padrão social e seus frequentadores, em especial os participa…