Pular para o conteúdo principal

"Não vou votar porque eu penso só em mim"

Domingo de praia

Por Ernesto Camelo
Dos eleitores do Serra: "Não vou votar porque eu penso só em mim"
Eleitores ignoram pedido de partidos para não viajar
FELIPE CARUSO
DO RIO
A convocação do PSDB para que os eleitores não viajem no feriado para irem as urnas amanhã parece não ter convencido os cariocas.
As justificativas para aproveitar o feriadão criado pelo governador Sérgio Cabral (PMDB), que adiou para segunda-feira a comemoração do Dia do Servidor Público no Estado, são variadas.
A engenheira Monique Valença, 25, vai aproveitar a folga para encontrar o namorado em Nova York. Eleitora de Serra, ela espera que sua ausência não o prejudique.
"Tentei aderir à campanha do Facebook que diz "Vai viajar? Leve quatro petistas com você", mas não deu", diz.
O advogado Eduardo Ribeiro, 25, eleitor de Serra, foi para a fazenda de um amigo em Goiás. "Vou cometer o mesmo pecado do segundo turno de 2008, quando votaria em Gabeira. Mas não considero meu voto decisivo."
Já a publicitária Nathália Cabral, 26, decidiu ir para Angra dos Reis, porque anularia o seu voto. "Se gostasse de um candidato, ficaria."
Em 2008, o governador do Rio também antecipou um feriado. Naquele ano, Eduardo Paes (PMDB) venceu Fernando Gabeira (PV) na disputa pela prefeitura do Rio por 55 mil votos, numa eleição que teve abstenção de 20,25%, a maior desde 2000.
Em São Paulo, o empresário Paulo Malieni, 38, vai aproveitar o feriado em Guarujá, litoral paulista.
Ele afirma ter votado em Serra e diz que seu candidato será eleito mesmo sem seu voto. E se perder? "São 17h de sexta e estou indo para a praia. Para mim está bom."
Orlando Augusto Junior, 27, e Luisa Mura, 23, também não votarão: vão aproveitar o feriado em Maresias (SP). Eleitores de Serra, dizem que não votariam nem se a disputa estivesse apertada.
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/poder/po3010201018.htm

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…