Pular para o conteúdo principal

Eleições em SP

 

Notícias » Eleições » Eleições 2010 » Estaduais » Estaduais

 SP: Neto de Covas se elege como deputado estadual mais votado
04 de outubro de 2010 06h12 atualizado às 11h20


Com um sobrenome bastante conhecido dos paulistanos, Bruno Covas, neto do ex-governador de São Paulo Mário Covas, elegeu-se como o deputado estadual mais votado com mais de 239 mil votos. Bruno Covas ganhou da população o segundo mandato na Câmara Legislativa.
Mapa político: veja os eleitos e a composição da Assembleia Legislativa no seu Estado
Em seguida aparecem Paulo Alexandre Barbosa (PSDB), Fernando Capez (PSDB) e Campos Machado (PTB).
Dos candidatos que tentaram uma vaga ficaram fora o cantor Leandro do KLB (DEM), o ex-jogador Dinei (PDT), o transformista Léo Aquilla (PTB), entre outros.
Confira a lista dos deputados estaduais que se elegeram:
1 - Bruno Covas (PSDB) 239.150 (1,13%)
2 - Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) 215.061 (1,01%)
3 - Fernando Capez (PSDB) 214.592 (1,01%)
4 - Campos Machado (PTB) 214.519 (1,01%)
5 - Pedro Tobias (PSDB) 198.379 (0,93%)
6 - Edinho Silva (PT) 184.397 (0,87%)
7 - Barros Munhoz (PSDB) 183.859 (0,87%)
8 - Baleia Rossi (PMDB) 176.787 (0,83%)
9 - Rui Falcão (PT) 174.691 (0,82%)
10 - Enio Tatto (PT) 161.170 (0,76%)
11 - Rita Passos (PV) 154.351 (0,73%)
12 - Alencar (PT) 154.272 (0,73%)
13 - Gil Arantes (DEM) 145.128 (0,68%)
14 - Orlando Morando (PSDB) 138.630 (0,65%)
15 - Feliciano (PV) 137.573 (0,65%)
16 ¿ André Soares (DEM) 136.919 (0,64%)
17 - Major Olimpio (PDT) 135.409 (0,64%)
18 - Geraldo Cruz (PT) 131.206 (0,62%)
19 - Samuel Moreira (PSDB) 130.865 (0,62%)
20 - Carlos Grana (PT) 126.973 (0,60%)
21 - Analice Fernandes (PSDB) 125.116 (0,59%)
22 - Rodrigo Moraes (PSC) 124.278 (0,59%)
23 - Celino (PSDB) 123.667 (0,58%)
24 - Mauro Bragato (PSDB) 123.283 (0,58%)
25 - Simão Pedro (PT) 118.453 (0,56%)
26 - Ana Perugini (PT) 115.342 (0,54%)
27 - Alex Manente (PPS) 114.714 (0,54%)
28 - João Paulo Rillo (PT) 111.822 (0,53%)
29 - João Antonio (PT) 110.684 (0,52%)
30 - Carlos Bezerra Jr. (PSDB) 107.837 (0,51%)
31 - Roberto Morais (PPS) 107.145 (0,50%)
32 - Milton Leite Filho (DEM) 106.538 (0,50%)
33 - Donisete Braga (PT) 105.436 (0,50%)
34 - Luiz Moura (PT) 104.705 (0,49%)
35 - Gondim (PPS) 104.663 (0,49%)
36 - Edmir Chedid (DEM) 104.602 (0,49%)
37 - Estevam Galvão (DEM) 101.883 (0,48%)
38 - Carlos Giannazi (Psol) 100.808 (0,47%)
39 - Isac Reis (PT) 100.638 (0,47%)
40 - Rafael Silva (PDT) 97.183 (0,46%)
41 - Vinicius Camarinha (PSB) 97.028 (0,46%)
42 - Gilmaci Santos (PRB) 96.976 (0,46%)
43 - Luiz Claudio Marcolino (PT) 96.594 (0,46%)
44 - Roberto Engler (PSDB) 95.279 (0,45%)
45 - Caruso (PMDB) 94.894 (0,45%)
46 - Antonio Mentor (PT) 94.174 (0,44%)
47 - Célia Leão (PSDB) 93.318 (0,44%)
48 - Giriboni (PV) 93.123 (0,44%)
49 - Celso Giglio (PSDB) 91.289 (0,43%)
50 - Pastor Dilmo dos Santos (PV) 90.909 (0,43%)
51 - Coronel Edson Ferrarini (PTB) 90.466 (0,43%)
52 - Telma de Souza (PT) 90.361 (0,43%)
53 - Gerson Bittencourt (PT) 89.920 (0,42%)
54 - Padre Afonso (PV) 87.674 (0,41%)
55 - Rogerio Nogueira (PDT) 86.985 (0,41%)
56 - Aldo Demarchi (DEM) 86.672 (0,41%)
57 - Andre do Prado (PR) 86.346 (0,41%)
58 - Leci Brandão (PCdoB) 86.298 (0,41%)
59 - Marcos Zerbini (PSDB) 85.678 (0,40%)
60 - Roque Barbiere (PTB) 84.012 (0,40%)
61 - Jooji Hato (PMDB) 83.855 (0,40%)
62 - Roberto Massafera (PSDB) 81.380 (0,38%)
63 - Hamilton Pereira (PT) 80.963 (0,38%)
64 - Heroilma Soares Tavares (PTB) 80.819 (0,38%)
65 - Ana do Carmo (PT) 80.452 (0,38%)
66 - Marcos Martins (PT) 80.131 (0,38%)
67 - Itamar Borges (PMDB) 79.195 (0,37%)
68 - Reinaldo Alguz (PV) 78.964 (0,37%)
69 - Helio Nishimoto (PSDB) 78.906 (0,37%)
70 - Adriano Diogo (PT) 77.924 (0,37%)
71 - Gilson de Souza (DEM) 77.664 (0,37%)
72 - Ary Fossen (PSDB) 76.406 (0,36%)
73 - Sebastião Santos (PRB) 73.805 (0,35%)
74 - Milton Vieira (DEM) 71.523 (0,34%)
75 - Zico (PT) 71.502 (0,34%)
76 - Carlão Pignatari (PSDB) 70.337 (0,33%)
77 - Marco Aurélio de Souza (PT) 69.485 (0,33%)
78 - Chico Sardelli (PV) 68.721 (0,32%)
79 - Davi Zaia (PPS) 68.658 (0,32%)
80 -José Candido (PT) 68.202 (0,32%)
81 - Maria Lúcia Amary (PSDB) 67.804 (0,32%)
82 - Pedro Bigardi (PCdoB) 67.758 (0,32%)
83 - Pr. Carlos Cezar (PSC) 67.189 (0,32%)
84- Cauê Macris (PSDB) 66.412 (0,31%)
85 - Adilson Rossi (PSC) 64.646 (0,30%)
86 - Welson Gasparini (PSDB) 62.679 (0,30%)
87 - Geraldo Vinholi (PSDB) 62.580 (0,29%)
88 - José Bittencourt (PDT) 58.954 (0,28%)
89 - Ed Thomas (PSB) 57.853 (0,27%)
90 - Curiati (PP) 57.727 (0,27%)
91 - Marcos Neves (PSC) 54.759 (0,26%)
92 - Dr. Ulysses (PV) 41.623 (0,20%)
93 - Regina Gonçalves (PV) 37.618 (0,18%)
94 - Bolçone (PSB) 31.274 (0,15%)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…