Pular para o conteúdo principal

A velha midia latino americana e golpista começa a cair

A guerra contra a velha mídia argentina

Por Ernesto Camelo
Da Folha de SP: 
Jornais se preparam para pedido de prisão
Proprietários de "La Nación" e "Clarín" são processados por governo argentino
Diários são processados em razão da compra de empresa de papel-jornal durante a mais recente ditadura, nos anos 70
GUSTAVO HENNEMANNDE BUENOS AIRES
Os jornais "Clarín" e "La Nación", principais veículos impressos da Argentina, prometem reagir a um pedido de prisão preventiva contra seus dirigentes que estaria sendo preparado pelo governo Cristina Kirchner.
A presidente, que mantém um conflito aberto contra os dois veículos, anunciou em agosto a intenção de denunciá-los por crimes contra a humanidade ocorridos na década de 1970.
Essa denúncia viria acompanhada de um pedido de "prisão imediata" contra três diretores nos próximos dias, segundo publicado no fim de semana pelo jornal "Perfil".
curado pela Folha, o governo argentino não confirmou nem desmentiu a informação.
A legislação argentina permite um pedido de prisão feito pelo governo -no caso, pela Procuradoria do Tesouro, órgão equivalente à Advocacia Geral da União. O juiz, antes de decidir, tem de levar em conta também a opinião do Ministério Público.
Conforme a versão do governo, os dirigentes foram cúmplices do último regime militar do país (1976-1983) e se aproveitaram da condição de fragilidade de uma família perseguida pela ditadura para comprar ações da Papel Prensa, empresa que hoje produz 75% do papel-jornal consumido na Argentina.
O diretor de Negócios do "La Nación", Eduardo Lomanto, diz que o governo usa o poder do Estado "para manipular a história" e tenta "criminalizar" dirigentes de veículos que não se submeteram a seus interesses.
A linha editorial dos jornais é crítica ao governo.
Segundo Lomanto, os dois veículos estão preparados para tomar as medidas judiciais necessárias para "preservar a liberdade dos diretores", já que existe uma "grande possibilidade" de que o governo entre com pedidos de prisão preventiva.
O gerente de Comunicações Externas do "Clarín", Martín Etchevers, disse que não quer "corroborar algo que ainda não ocorreu", mas afirma que o departamento jurídico levantou testemunhas e provas para refutar os argumentos do governo.
"Temos os recibos de pagamento [das ações da Papel Prensa], desmontamos a versão ponto por ponto. Caso isso se confirme, será uma aberração judicial que confirmará que se trata de uma perseguição", diz Etchevers.
LISTA DE CRIMES
Conforme documentos obtidos pelo "Perfil", os principais acionistas do "Clarín", Ernestina Herrera de Noble e Héctor Magnetto, e o diretor de redação do "La Nación", Bartolomé Mitre, serão denunciados como "partícipes necessários" em crimes de extorsão, ameaça, privação ilegítima de liberdade, sequestro e homicídio, todos relacionados com a compra.
No mesmo documento, o governo denunciará como "autores e coautores" dos crimes os ex-ditadores do país e dirigentes militares que, em maioria, já estão presos.
Caso a Justiça aceite a denúncia e os dirigentes dos jornais sejam julgados, eles podem ser condenados à prisão perpétua.
As vítimas são integrantes da família Graiver, que acabaram presos e torturados meses depois de venderem sua parte na Papel Prensa.
A denúncia contra os jornais está sendo preparada pela Secretaria de Direitos Humanos do governo e pela Procuradoria do Tesouro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…