Pular para o conteúdo principal

Troll: da burrice ao crime

Estas eleições trouxeram à vida um personagem que de partir agora fará parte da fauna eleitoral brasileira, é o troll.
O troll só pode ganhar vida pelas características da internet, e o fato dela ser um meio de comunicação de via dupla, ou seja, eu falo e ao mesmo tempo escuto, não é como a TV e o jornal impresso, onde a gente come o que eles dão e não temos como discutir, reagir ou dar outra versão.
Quem é o troll, são figuras, anônimas ou não que se prestam a fazer um discurso desqualificador, de xingamento, baixo nível e que quase sempre visa assassinar reputações.
Partindo de mentiras, versões não confirmadas ou coisa assim passam a xingar determinada pessoa ou pessoas que não concordem com seus pontos de vista. Extremamente violentos, agressivos partem pra cima de qualquer um que não faça parte do exército sujo dos trolls.
Muitos trolls são pagos por políticos, ou pela própria mídia para fazerem o serviço, mas vem crescendo uma floresta de trolls que fazem o serviço sem ganhar nada. Fazem isso apenas para amealharem alguma fama, geralmente ruim ou serem reconhecidos por alguém em especial, mirando certamente um emprego, uma oportunidade.
Geralmente não conseguem nada disso, e o que sobra do troll é uma péssima imagem que a própria internet cuida de divulgar.
Tem o troll inocente, este geralmente atua nas redes de e-mail. Ele recebe um e-mail, quase sempre desqualificado, o mais recente é o da Dilma assassina, ai ele repassa para todos os amigos imaginando que está informando seus amigos sobre determinado tema, quando na verdade está sendo usado pelo troll para proliferar mentiras, versões falsas e xingamentos. Quase sempre nossas redes de e-mail tem centenas de pessoas, o que acaba acontecendo é que o troll inocente queima o próprio filme ao ser visto fazendo um tipo de coisa que muitas pessoas da sua rede de e-mails não imaginavam que ele se prestasse a fazer.
O Troll na maioria das vezes não tem idéias próprias, ou se tem são idéias simplistas e preconceituosas, mas na maioria das vezes ele reverbera preconceitos, xingamentos produzidos por um troll conhecido ou por trolls anônimos.
O Troll sempre acha que terá algum reconhecimento por sua iniciativa corajosa, aliás, o troll confunde irresponsabilidade sobre o que fala com coragem de falar o que se pensa. O Troll não é corajoso é burro, e depois que fala pode se tornar criminoso.
O troll entrou para a vida pública brasileira, ele só pára quando é denunciado e exposto em suas baixarias, a partir daí, em alguns casos ele pede desculpas, diz que foi usado e desaparece.
O Troll assim como o praticante de Bulling está tipificado no código civil e criminal brasileiros. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…