Pular para o conteúdo principal

Rio Preto precisa se preparar

Os ventos que vêm do interior

Coluna Econômica
Uma visita ao interior de São Paulo ajudará a entender um pouco do dinamismo da economia brasileira. Nos dois últimos dias estive em Marília, em uma feira de negócios.
Primeiro ponto a chamar a atenção é que os principais fatores de modernização já estão presentes no universo de discussão das empresas. Temas como gestão, inovação, planejamento estratégico, parceria com universidades. Dez anos atrás, dificilmente esses temas frequentariam ambientes empresariais fora dos grandes centros.
Outro ponto relevante é que para cada um desses temas existem parceiros aparelhados nas áreas pública e corporativa.
No caso de pesquisas tecnológicas (área de alimento), o Ital (Instituto de Tecnologia de Alimentos, da Unicamp). Para prospecção de mercado, o Sebrae. No próprio Ital, cenários para o setor nos próximos vinte anos. As Fatecs discutindo a formação de tecnológos. O Senai e o CIESP centralizando os trabalhos de disseminação da inovação.
***
Hoje em dia, a cidade tem uma forte presença na indústria de alimentos. Reivindica para si o título de "capital dos alimentos". Tem algumas empresas fortes, de fora, e algumas empresas locais, de bom porte e de gestão familiar. Esse é um dos pontos fracos do interior: a dificuldade na profissionalização da gestão.
Pouco se recorre ao mercado de capitais. E ainda não se chegou ao ponto de montar órgãos de planejamento estratégico, envolvendo empresas, poder público, universidade e sindicatos. Mas chega-se lá.
Em contrapartida, a região já possui alguns exemplos bem sucedidos de parceria universidade-empresa. Como o polo eletrônico de Garças, que surgiu recentemente, com algumas empresas de porte capazes de influenciar na cultura empresarial da região.
***
O problema maior – comum a grande parte das cidades do interior – é a grande carência de informações em relação a muitos aspectos da gestão econômica.
Praticamente ignora-se a existência de linhas de financiamento a pesquisas. Instituições como a Finesp (Financiadora de Estudos e Pesquisas) e mesmo a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) não fazem parte do planejamento estratégico das empresas.
Também são bastante prejudicadas pelas informações que recebem acriticamente da velha mídia. Há casos de empresários que já descobriram o grande mercado em formação no nordeste, por exemplo, mas só depois que foram conhecer de perto. A visão geral, do empresário médio, absorve o profundo pessimismo divulgado pela velha mídia nos últimos meses.
***
Daqui a dez anos, é possível que o tamanho das empresas e a importância da cidade seja multiplicado por várias vezes. A explosão do mercado popular de consumo beneficiará principalmente os setores de alimentação, vestuário, móveis e eletrodomésticos.
Além disso, as novas possibilidades trazidas pelas redes sociais, os desafios de saber trabalhar o novo consumidor classe C, abre horizontes enormes para empresários com instituto empreendedor mais apurado.
Nos próximos anos, as cidades médias de São Paulo, Minas, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, assumirão um protagonismo maior no desenvolvimento brasileiro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…