Pular para o conteúdo principal

Por que a Veja apóia o Serra

E-mail enviado por Elisa Soler
Vote no Serra!!!!!!!!!!!!
O mensalão do Serra pra Editora Abril

Daniel Bezerra, editor geral

Numa minuciosa pesquisa aos editais publicados no Diário Oficial, o
blog descobriu o que parece ser um autêntico “mensalão” pago pelo
tucanato ao Grupo Abril e a outras editoras. Veja algumas das mamatas:

- DO [Diário Oficial] de 23 de outubro de 2007. Fundação Victor
Civita. Assinatura da revista Nova Escola, destinada às escolas da
rede estadual. Prazo: 300 dias. Valor: R$ 408.600,00. Data da
assinatura: 27/09/2007. No seu despacho, a diretora de projetos
especial da secretaria declara ‘inexigível licitação, pois se trata de
renovação de 18.160 assinaturas da revista Nova Escola’.

- DO de 29 de março de 2008. Editora Abril. Aquisição de 6.000
assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$
2.142.000,00. Data da assinatura: 14/03/2008.

- DO de 23 de abril de 2008. Editora Abril. Aquisição de 415.000
exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 30 dias. Valor: R$
2.437.918,00. Data da assinatura: 15/04/2008.

- DO de 12 de agosto de 2008. Editora Abril. Aquisição de 5.155
assinaturas da revista Recreio. Prazo: 365 dias. Valor: R$
1.840.335,00. Data da assinatura: 23/07/2008.

- DO de 22 de outubro de 2008. Editora Abril. Impressão, manuseio e
acabamento de 2 edições do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor:
R$ 4.363.425,00. Data daassinatura: 08/09/2008.

- DO de 25 de outubro de 2008. Fundação Victor Civita. Aquisição de
220.000 assinaturas da revista Nova Escola. Prazo: 300 dias. Valor: R$
3.740.000,00. Data da assinatura: 01/10/2008.

- DO de 11 de fevereiro de 2009. Editora Abril. Aquisição de 430.000
exemplares do Guia do Estudante. Prazo: 45 dias. Valor: R$
2.498.838,00. Data da assinatura: 05/02/2009.

- DO de 17 de abril de 2009. Editora Abril. Aquisição de 25.702
assinaturas da revista Recreio. Prazo: 608 dias. Valor: R$
12.963.060,72. Data da assinatura: 09/04/2009.

- DO de 20 de maio de 2009. Editora Abril. Aquisição de 5.449
assinaturas da revista Veja. Prazo: 364 dias. Valor: R$ 1.167.175,80.
Data da assinatura: 18/05/2009.

- DO de 16 de junho de 2009. Editora Abril. Aquisição de 540.000
exemplares do Guia do Estudante e de 25.000 exemplares da publicação
Atualidades – Revista do Professor. Prazo: 45 dias. Valor: R$
3.143.120,00. Data da assinatura: 10/06/2009.
Negócios de R$ 34,7 milhões.

Somente com as aquisições de quatro publicações “pedagógicas” e mais
as assinaturas da Veja, o governo tucano de José Serra transferiu, dos
cofres públicos para as contas do Grupo Civita, R$ 34.704.472,52 (34
milhões, 704 mil, 472 reais e 52 centavos). A maracutaia é tão
descarada que o Ministério Público Estadual já acolheu representação
do deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) e abriu o inquérito civil
número 249 para apurar irregularidades no contrato firmado entre o
governo paulista e a Editora Abril na compra de 220 mil assinaturas da
revista Nova Escola.

Esta “comprinha” representa quase 25% da tiragem total da revista Nova
Escola e injetou R$ 3,7 milhões aos cofres do ‘barão da mídia’ Victor
Civita. Mas este não é o único caso de privilégio ao Grupo Abril. O
tucano Serra também apresentou proposta curricular que obriga a
inclusão no ensino médio de aulas baseadas nas edições encalhadas do
‘Guia do Estudante’, outra publicação do grupo.

Comentários

Notem que simpatizantes dos demotucanos,a burguesia hipócrita,sempre criticou o Bolsa Família,quando dinheiro público vem para amenizar a fome do povo.Porém,se calam quando no mesmo estilo eles recebem o Bolsa-Imprensa e a mídia poderosa em suas manchetes e editoriais usam dessa contrapartida para retribuir os milhões dos contratos firmados com Zépedágioserra.Daí a imprensa golpista passa a ter lado e não tem coragem de admitir!
Talles disse…
Estranho, colega, pois olhe só:
Acesse www.portaltransparencia.gov.br
Vá em GASTOS DIRETOS DO GOVERNO
- marque o exercício desejado
- selecione POR FAVORECIDO -> PESSOA FÍSICAS, EMPRESAS E OUTROS
- clique em CONSULTAR
- no quadro PESQUISAR, digite Editora Abril
- clique em Editora Abril para saber quem está comprando...

São Paulo gasta com a Abril????

Governo Lula (Governo Federal):

2010: R$ 1,8 milhões, sendo mais de 1 milhão do FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO
2009: R$ 1,3 milhões, sendo mais de 400 mil do FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO
2008: R$ 1,0 milhão, sendo mais de 600 mil do FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCACAO
2007: mais de R$ 300 mil

Estranho, né? O gasto aumentou justo quando a "Editora Abril" começou a atacar o PT...

Depois do FNDE, o maior gasto é com publicidade dos ministérios: saúde, turismo. Alguém explica? A fonte é do próprio governo.

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…