Pular para o conteúdo principal

O Brasil pós-PSDB 6

A midia não formou opinião

Zillah Branco *


Em várias oportunidades a TV Globo tem revelado a sua surpreza com o caminho ascendente seguido pelos candidatos de Lula à Presidência e aos governos estaduais. Reconhecem que as estatísticas indicam que Dilma é reconhecida como a melhor candidata para manter o rumo do país com os exitos alcançados e que merece a admiração dos brasileiros pela sua luta corajosa que sustenta desde jovem, mesmo sob as torturas e pressões da ditadura, pela sua formação cívica e profissional, pela atuação nos ministérios do Governo Lula – apesar da pérfida campanha da oposição para apagar os seus valores pessoais. Falta apenas, à Globo, reconhecer que o seu empenho em promover Serra deu em nada, não formou opinião. Porquê?
É fácil explicar: a esquerda nacional com o seu exemplo na defesa do desenvolvimento das forças produtivas do país e da consciência de cidadania para a população em geral, promoveu a autonomia para que o povo escolha por si mesmo os candidatos que se preocupam com a maioria e não com uma elite privilegiada. O que a mídia não tem coragem de reconhecer publicamente é que o Brasil mudou e que o povo pensa e faz sem os velhos cabrestos oligarcas. Como já escrevi anteriormente, a oposição diluiu-se nas próprias águas e só inimigos do Brasil podem se opor à defesa da continuidade prometida por Dilma e os candidatos que a esquerda apoia para Governador, senadores e deputados. Quem vai querer voltar atrás, ao tempo do neocapitalismo quando milhões de brasileiros passavam fome e uma elite esbanjava o patrimõnio nacional?
Percebendo que não cabe à midia convencer o eleitorado à votar na oposição, como se sugerissem ao Serra e aos demais candidatos tucanos a pendurarem as chuteiras, passaram ao próximo capitulo discutindo como será a futura equipe no poder. Melhor entrar na ficção já que perderam o pé na realidade. Realmente ficaram sem assunto. Poderiam mostrar como as organizações de massa se unem para votar nos candidatos que vão continuar os programas iniciados por Lula, mesmo tendo críticas e propostas para melhorar o sistema social, econômico e político no Brasil. É que as mudanças apenas começaram, agora virão os aperfeiçoamentos. O Brasil é o país do futuro – visto por Zweig que fugia ao fascismo – e agora pelos cidadãos que escolhem os seus candidatos democráticos, livres do velho domínio oligárquico.

* Cientista Social, consultora do Cebrapaz. Tem experiência de vida e trabalho no Chile, Portugal e Cabo Verde.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…