Pular para o conteúdo principal

O Brasil pós-PSDB 5

A importância da oposição preservar a dignidade

Por João Sabóia Jr.
Da Folha
Boa análise da campanha Lula x FHC e da campanha atual de Serra:
JONATHAN WHEATLEY
Nada como o sucesso
Oposição consistente consegue preservar a dignidade para lutar de novo outro dia
Nada, como dizemos em inglês, garante resultados como o sucesso (nothing succeeds like success). Em 1994, tanto Fernando Henrique Cardoso quanto Luiz Inácio Lula da Silva sentiram isso na pele. FHC, surfando na onda do apoio popular ao Plano Real, era uma força irresistível na eleição presidencial.
Enquanto isso, Lula se encontrava na posição nada confortável de ser obrigado a fazer oposição a políticas que traziam um benefício óbvio e espetacular para seus eleitores naturais, as camadas mais pobres da população, para quem a inflação era a mais cruel injustiça dos tempos recentes. Agora, para importar outra expressão do inglês, a bota está em outro pé. Enquanto Lula surfa uma onda ainda maior de popularidade, aparentemente a maior de todos os tempos no país, José Serra está sendo obrigado a ser seu opositor.
Só que Serra não está cumprindo com suas obrigações. De certa maneira, é compreensível. Opor-se ao Lula de 2010, como dizem nos EUA, é como se opor à maternidade ou à torta de maçã. Não dá ibope.
Mas o Lula de 1994 não se curvou diante daquela dificuldade. Suas ideias e propostas podem não ter sido aceitáveis, podem até ter sido repugnantes para grande parte do eleitorado. Nem por isso ele as abandonou. O povo merecia uma alternativa e, mesmo se a rejeitasse, era papel dele fornecê-la. Serra é diferente. Às vezes se posiciona como o herdeiro natural de Lula. Às vezes, como candidato a ministro de Saúde.
Mais recentemente, começou a bater. Mas a verdadeira oposição, a que oferece uma alternativa a tudo aquilo que está aí, ele não faz. Isso é uma pena. Serra pode não ter políticas oposicionistas, mas o PSDB, creio eu, ainda tem. No PSDB, suponho, deve haver pessoas que acreditam no poder positivo da privatização.
Deve haver pessoas que acreditam no Estado enxuto, na meritocracia, no tão odiado "neoliberalismo". Essas ideias podem não dar ibope no Brasil de hoje. Mas elas são, pelo menos, da oposição. E, às vezes, uma oposição consistente consegue preservar sua dignidade para lutar de novo outro dia. Mas na política é assim mesmo. Nada fracassa que nem o fracasso.
JONATHAN WHEATLEY é correspondente do jornal "Financial Times" no Brasil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…