Pular para o conteúdo principal

Máquina social


Por Lucas Pereira Vieira
 
O sexo hoje parte para um novo mercado em ascensão, o mercado explicito. Nunca, na historia da humanidade, o sexo foi tão comercializado; noto com clareza o abuso de imagens erotizadas, seja nas propagandas de cerveja, seja nas de cremes faciais.
Mas, ao que se deve essa ascensão do mercado explicito? Durante muito tempo me questionei, sem chegar a uma conclusão definitiva. Creio que nessa nova modalidade do capitalismo, na qual o objetivo da propaganda não é apenas anunciar o produto, mas sim deixa-lo marcado em seu subconsciente e de alguma forma torna-lo indispensável à felicidade de seu consumidor. De fato, o poder de tais propagandas é enorme, por exemplo: imagine aquela clássica cena de domingo, família reunida, almoço na mesa e para acompanhar? Coca-cola como não pode faltar no verdadeiro almoço em família. Esse é o poder da mensagem implícita dos comerciais, a rápida associação de uma refeição ao produto, por exemplo.
Porém a mensagem explicita, por mais incoerente que possa soar, para mim tem efeito ainda mais subjetivo. Usando novamente o exemplo da propaganda da coca, mas dessa vez partindo da mensagem explicita, aquela que todos vêem, compreendem e não interpretam. O clássico almoço em família, você vê aquele parente com o qual não simpatiza sentado à mesa? Não. Todos os presentes estão bem vestidos e sorrindo, o que em linhas gerais, é transmitido ao telespectador é que a família unida, feliz e próspera depende daquele líquido milagroso que no comercial parece reluzir de forma sedutora.
O sexo aposta nesse novo tipo de propaganda. O sexo não paga para estar lá, ele é uma idéia, uma concepção do ato praticado por prazer e/ou procriação dos humanos. A imagem de alguém com sucesso sexual é fortemente ligada a imagem do sucesso em si por questões evolutivas e biológicas. Portanto, temos a sensação de que se não estivermos transando com freqüência somos fracassados, incompetentes, logo, vistos com desprezo pela sociedade. Partindo desta idéia o mercado milionário de cifras e almas do sexo aposta cada vez mais em jovens talentos musicais e estrelas do cinema, imagens já vinculadas ao sucesso. Mas ele não para por ai, seus braços se estendem rumo às propagandas, sejam elas de cerveja, cremes para pele, roupas e até mesmo carros, afinal numa equação simples realizada no cérebro masculino; quanto melhor o carro, melhor a gata, melhor o sexo.
O bombardeio sexual ao qual somos expostos em nosso cotidiano é imenso. Trabalho, colegas, rádio, televisão, revistas, músicas. Em tudo ele está presente, perdeu o verdadeiro valor de sua existência, o clímax do amor e relacionamento de um casal.  Tornou-se um símbolo vazio, consumista e inexpressivo. Mais um símbolo usado para o auto-retrato da sociedade doente. Mais um escravizado pela máquina social.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…