Pular para o conteúdo principal

Estratégia de Serra deu votos a Marina

Estratégia de Serra deu votos a Marina

Do Valor
A candidata do PV, Marina Silva, foi a principal beneficiada pela ofensiva do candidato do PSDB, José Serra, contra a petista Dilma Rousseff. Segundo a pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo divulgada no sábado, Dilma manteve os 51% das intenções de voto registrados nas duas pesquisas anteriores, isto é, repete o índice pela terceira vez. Serra caiu de 27% para 25%, enquanto Marina teve uma alta de 8% para 11%, entre a última pesquisa e a penúltima.
No último dia de coleta da pesquisa, a substituta de Dilma na Casa Civil, Erenice Guerra, foi exonerada do cargo devido a denúncias de que seu filho fazia tráfico de influência no governo. A pesquisa, portanto, foi colhida depois do início das acusações de quebra de sigilo fiscal da família de Serra e das supostas irregularidades cometidas pela família de Erenice. Apenas 16% dos entrevistados atribuiu a quebra de sigilo à candidata petista. Ainda assim, destes 16%, um em cada três entrevistados continuam declarando o voto em Dilma. 
pesquisa do Ibope, Serra apenas teve oscilação positiva na Região Norte/Centro-Oeste, onde subiu de 25% para 30% nas preferências de voto. Nesta região, Dilma caiu de 55% para 46%, e Marina subiu de 8% para 13% das preferências. Na Região Sul, Serra manteve o mesmo patamar da penúltima pesquisa, de 35%, Dilma caiu dois pontos, de 44% para 42%, e Marina subiu de 5% para 10%. No Sudeste, Serra caiu de 31% para 24%, Dilma subiu para 48% e Marina. que tinha 10% das preferências, agora tem 14%. No Nordeste, Dilma continua exibindo 66% das preferências, Serra caiu dois pontos - foi de 18% para 16% - e Marina praticamente nada ganhou: foi de 6% para 7%.
Marina subiu particularmente na camada com ensino superior, que teoricamente tem mais informação. Nessa faixa Serra sofreu uma grande queda. Marina cresceu de 8% para 21%, enquanto Serra reduziu as preferências de 36% para 30%. Dilma permaneceu com 36% das preferências.
Na faixa de renda acima de cinco salários mínimos, Marina cresceu de 13% para 19% e Serra caiu de 34% para 29%. O mesmo movimento, de crescimento do eleitorado de Marina sobre o de Serra, ocorreu entre as mulheres. Marina subiu de 8 para 12% dos votos, enquanto Serra caiu de 28 para 25%. Marina também subiu nas preferências dos homens, de 7% para 10%, enquanto Serra caiu de 27% para 25%.
Desde o início do mês, os índices de Dilma nas pesquisas Datafolha, Vox Populi e Sensus tem mantido um patamar entre 50 e 51%. No Datafolha colhido nos dias 2 e 5 de setembro, Serra tinha 28% das intenções de voto. Na última do Ibope, estava com 25%. Marina tinha 10 no início do mês, caiu para 8,9% e 8% nas últimas pesquisas CNT-Sensus e Vox Populi/Band/IG e agora aparece com 11%.
Ainda assim, Marina parece crescer proporcionalmente à queda de Serra, o que continua tornando improvável a definição das eleições num segundo turno. Segundo o último Ibope, Dilma tem 58% dos votos válidos (subtraídos os nulos, brancos e indecisos), o que garantiria a ela a vitória já no dia 3 de outubro.
No Ibope, a rejeição dos dois primeiros colocados ficou no mesmo patamar: 19% dos entrevistados não votariam em Dilma em nenhuma hipótese e 26% se negam a votar em Serra. Na CNT-Sensus, a rejeição de Serra chega a 40%. Os critérios para aferir rejeição dos diversos institutos são diferentes.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…