Pular para o conteúdo principal

Cortes e podas de árvores em Rio Preto




Rio PReto
Estes mais de 100 dias sem chuva em Rio Preto, e o clima de deserto que estamos vivendo nos coloca diante de um debate que precisa ser feito na cidade. A questão das árvores em Rio Preto.
É evidente que há um descaso por parte do poder público em relação ao assunto. Segundo o Diário Árvores são cortadas às centenas semanalmente sem que nada aconteça, no pior da hipóteses a prefeitura aplica uma multa de 100 reais, que é zoação.
As podas drásticas, tão faladas, continuam. A CPFL a maior podadora de árvores e segundo historiadores locais foi quem ensinou a população o hábito de podar as árvores, não diz uma palavra sobre o assunto, ainda que pode árvores da forma a mais dantesca possível, pega a copa e faz um, v para os fios passarem pelo meio. Um desrespeito a cidade e as pessoas.
Rio Preto se transformou numa imensa placa de asfalto no maior canavial do mundo. Estamos grelhando em cima do asfalto cercado por cana por todos os lados. Enquanto isso corte-se árvores. Outro grande responsável pelo corte das árvores são os comerciantes, que com o argumento de que as árvores tampam o comércio cortam ou podam de forma agressiva o pouco de verde que ainda resta.
Ruas inteiras na cidade não possuem árvores, a Antonio de Godoy ao mesmo tempo em que se transforma numa rua de comércio assiste o desaparecimento da cobertura verde que a rua possui e que já diminuiu bastante. Locais baldios ou espaços urbanos não ocupados e que ainda há verde são destruídos para construção de condomínios ou lojas como está acontecendo no higianópolis e vivendas.
O resultado é esta sensação monstro de calor, o clima seco, a falta de chuva, o ar irrespirável, a poluição muito grande em função do aumento dos veículos em circulação e a hora que chover enchente. Por que, simples, com o asfaltamento sem critério, com o corte das árvores e toda água da chuva escorrendo para o mesmo local, o resultado é enchente.
É fundamental que este assunto das podas e cortes das árvores seja tratado como prioridade pela prefeitura, ou em breve o quadro Será ainda pior. Tem uma camada de fumaça, poluição e poeira sobre Rio preto que está estacionada por aqui a mais de 3 meses. Soma-se ao corte da cana que levanta uma tempestade poeira sobre a região inteira mais a queimada que ainda existe em algumas fazendas e tá feito o serviço.
A quem não acredita no que estou falando basta visitar os hospitais da cidade, lotados de crianças e idosos com problemas respiratórios e outros. L.A

**AS fotos são minhas. L.A

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…