Pular para o conteúdo principal

Vestibular: o que vocÊ acha?

Luciano, que tal este texto? Recebi por e-mail

Abraços
William

Esta é minha crítica:

Uma série de movimentos sociais vê no modelo do vestibular uma barreira de acesso ao ensino superior público para as camadas mais populares da sociedade, alegando que os exames, da forma como são propostos, privilegiam não o conhecimento que de fato se adquiriu no ensino médio mas simplesmente a avaliação de informações memorizadas e sem conteúdo crítico.

Esta linha de pensamento é justificada pelos seus defensores, através da análise do tipo de ensino que é dado nos cursos preparatórios ao vestibular (popularmente conhecidos como "cursinhos"), considerado por eles como acrítico e repousante na memorização de fórmulas e estratégias de resolução das provas, e normalmente acessíveis apenas às camadas da população com maior poder aquisitivo. Além disso, existem outros fatores que podem influenciar no rendimento do vestibular, como, por exemplo, o estresse, já que a pressão que é exercida sobre os candidatos é alta (disputa por uma vaga cobiçada, alguns já tentaram outras vezes e não conseguiram) e alguns acabam caindo diante desse quadro, e também há o fator tempo, pois alguns candidatos acabam se atrasando, perdendo a chance de realizar a prova e tendo de esperar pelo próximo ano para realizar a prova.

Especialistas de ensino também criticam o fato de o vestibular incentivar o sistema de ensino, de uma forma geral, a apenas oferecer o conteúdo curricular que é exigido pelo exame, deixando de tocar em assuntos normalmente ignorados pelos exames, como a História da Arte, a Filosofia e a Sociologia.

Dentre as propostas para substituir o Vestibular, a mais conhecida e mais aceita é a utilização das notas obtidas pelo candidato durante os ensinos fundamental e médio. Porém, há também as propostas em que o candidato deve ser livre para se matricular no ensino superior, uma vez que ele também é livre para se matricular no ensino fundamental e médio. A meritocracia, que defende que o direito do candidato em se integrar na universidade provém do seu desempenho(mérito) no vestibular, não pode ser considerada democrática, pois não se baseia no direito e sim no poder (dos que são capazes de passar no vestibular com o auxílio dos cursinhos pré-vestibular). Se todos temos direito ao ensino público de qualidade(Constituição brasileira de 1988), logo o vestibular não condiz com a nossa estrutura política(Democracia).

Além disso, estudam-se (ou decoram-se) para prestar um exame e entrar em um univesidade que nem se quer as vezes é de boa qualidade. O Brasil tem apenas a USP na lista das 100 melhores, e, portando, é a mais concorrida do país. Os EUA tem 70% de participação nesta lista e, lá, o método para entrar é baseado em outros critérios, deixando assim, que o Ensino Médio cumpra seu papel ensinando o aluno diversas matérias, que acrescentarão valores a ele, diferente do que se ocorre no Brasil, onde você "estuda" (decora) com um unico foco: passar no vestibular e não aprender nada que vá lhe acrescentar algo como pessoa.

--
William Perone

Comentários

Eder Juno disse…
Boa amigo, essa educação é coisa do passado: http://bit.ly/afxYS4

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…