Pular para o conteúdo principal

Fernando Lucas e Rodrigo Garcia em churrascada - ambos do DEM


Lideranças comunitárias e políticas, eleitores sendo comprados por políticos profissionais com os cofres cheios; churrascadas regadas à cerveja, e um sem número de abusos, quando não crimes, estão em andamento e sendo noticiados pelos jornais em todo o Brasil.
Em Rio Preto, segundo o jornal Diário da Região, os candidatos a deputado federal Rodrigo Garcia (DEM) e o candidato a deputado Estadual Fernando Lucas (DEM) participavam de churrascada com eleitores em bairro da cidade. “Angariar votos por conta da distribuição de churrasco significa que terão problemas com a Justiça Eleitoral”, afirmou Amâncio Gomes, diretor do Comitê 9.840. “É normal dar uma churrascada para pessoas que você não conhece?”, questionou. (Diário da Região).
Segundo Alexandre Gama, colunista do jornal acima, é possível que esteja em andamento em toda a periferia da cidade um mega-esquema de compra de votos a partir de expedientes como os mencionados acima e publicado pelo jornal Diário.
Quando você não tem vínculos com a população dos bairros, quando você não desenvolve projetos sociais junto a estas pessoas, quando você aparece apenas em momentos eleitorais, quando ninguém nunca sabe sua opinião sobre coisa alguma por que ela nunca é escrita em lugar algum nem publicada nos meios de imprensa, fazem-se necessárias iniciativas como estas que estão sendo veiculadas pelos jornais e a partir de agora investigadas pela Policia Federal, segundo informa o jornal mencionado.
Chama a atenção o que dois candidatos da nova safra da política brasileira estão fazendo num churrasco com cerveja quando deveriam estar numa palestra falando às pessoas, descrevendo duas idéias, lançando seus projetos, mostrando o por quê de falarem, mostrarem, evidenciarem e não estarem comendo carne e dando risada.
Chama a atenção que tais e tão novos políticos, inclusive um, Fernando Lucas, tenta pela primeira vez ser eleito, estejam em meio à coisa tão antiga e maléfica a democracia brasileira, que são estas churrascadas. Será que tais políticos não perceberam o clima e as expectativas da sociedade em relação a politica? Nao perceberam o Ficha Limpa?
Em meio a uma campanha eleitoral em que os destinos do país estão sendo discutidos, em que os meios de comunicação dão espaço aos candidatos para que falem, mostrem suas idéias e projetos, somos impactados ao ver candidatos pouco preocupados em serem vistos em situação tão injuriosa ao processo eleitoral.
Ressalve-se que o número de gente no tal churrasco não superava 40 pessoas, ainda bem. Que seja cada vez menos o número de eleitores que se sujeitem a participarem de tais ignomínias políticas. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…