Pular para o conteúdo principal

Drop


Tenho insistido aqui com esta coisa de ser adulto e ser adulto como fundamentalmente ser responsável, não apenas consigo mesmo, mas com a cidade, com a comunidade com tudo a nossa volta.
Coloco isso por que estamos sem dúvida nenhuma entrando numa nova era, num novo tempo, um tempo cheio de encantamento e entusiasmo, mas ao mesmo tempo, cheio de desafios, de problemas graves a serem enfrentados.
Dei uma entrevista aos alunos da faculdade de jornalismo da Unilago esta semana, em que me perguntavam sobre a razão de enfrente a faculdade onde tem um bar, a rua está sempre suja com os restos daquilo que os estudantes consomem no bar.
Isso tem haver com duas coisas, uma é cultural; nós achamos que a rua é lugar de ninguém e portanto exposta ao meu vandalismo, a minha falta de higiene e educação. Sujo a rua por que não tenho nenhum respeito com as pessoas nem com a cidade onde moro. A rua é o oposto do espaço privado da casa, do lar, onde eu procuro manter limpo e organizado. A casa é o meu espaço privado, mas a rua é o nosso espaço público que deve ser mantido com o mesmo respeito e cuidado.
A outra questão é que equilíbrio ecológico, sustentabilidade é apenas discurso entre nós. Vestimos roupa com frases e slogans ecológicos, mas não temos uma prática sustentável. Ecologia é moda não é consciência. Defendemos a Amazônia, mas não mantemos a rua onde circulamos todos os dias limpa.
É claro que o futuro próximo será uma mudança profunda destes comportamentos, isso por que pessoas que não entendem os novos tempos certamente pagarão caro pela ignorância. Já tem empresa contratando profissionais a partir das idéias e comportamentos que ele tem e pratica. Por exemplo, se você disser a coisa “errada” sobre determinado assunto, seu futuro emprego não será seu.
Ser adulto é entender tais transformações. Ser adulto é fazer parte da promoção desta nova realidade. Precisamos parar de pensar em felicidade, e pensar em como transformar nossa vida para que daí sim possamos ser felizes.
Ser feliz daqui para frente meu amigo é ser equilibrado, ser equilibrado é ser adulto, e ser adulto é entendermos que a sociedade precisa de nós para sua transformação. Luciano Alvarenga

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…