Pular para o conteúdo principal

A briga ideológica

Coluna Econômica
Periodicamente, o país é sacudido por um conjunto de slogans econômicos, que em vez de elucidar a discussão serve apenas para propósitos políticos, de grupos.
Foi assim no final dos anos 80, com a defesa enfática do fechamento da economia, da reserva de mercado da informática. E tem sido assim nos últimos anos, mas em direção inversa: o ataque a qualquer forma de defesa da produção nacional.
***
A economia não funciona assim. Posições fechadas em uma direção ou outra são típicas de quem faz política ou joga para a plateia. No dia-a-dia da economia, os bons gestores pensam pragmaticamente, buscando para cada momento a melhor solução.
***
Tome-se o caso de um grupo de empresários e economistas ligados a ele, que participaram ativamente da vida nacional nos anos 50 e 60.
Nos anos 50, o futuro mercadista intransigente, Roberto Campos, ajudou na montagem do BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), porque sabia da necessidade de um banco de desenvolvimento que garantisse capital de longo prazo.
No final dos anos 60, o próprio Campos incentivou o aumento da posição do Estado em vários setores da economia, quando percebeu que o setor privado não dava conta.
E vice-versa.
***
Em meados dos anos 80, economistas do BNDES já tinham percebido a importância da abertura gradual da economia. Mas foram impedidos pelos repetidores de slogans da época.
***
Agora, ocorre o mesmo em ordem inversa. Há necessidade de grandes investimentos em infra-estrutura. Há ênfase na participação do setor privado, mas há elos da cadeia que não estão formados. Por exemplo, o seguro para grandes obras, ou a necessidade de financiamentos de longo prazo.
Nesses casos, é papel do Estado complementar, pela simples razão que, não complementando, as obras não saem.
***
É evidente que tem que haver acompanhamento crítico das ações de Estado. Por exemplo, o BNDES deveria concentrar tanto financiamento em tão poucos grupos? Os financiamentos obedecem aos princípios dispostos no Programa de Desenvolvimento Produtivo? A Petrobras poderia buscar outras fontes de financiamento?
***
No entanto, o que se ouve em redes de rádio e TV é apenas a repetição de slogans, como se toda intervenção pública fosse daninha ou houvesse alternativas privadas.
Infelizmente, no âmbito de algumas redes de mídia, a discussão econômica não visa mais a busca de resultados, mas o embate ideológico, a repetição de slogans, como se objetivo final não fosse o de promover o desenvolvimento do país.
***
O mercado terá um papel relevante na nova etapa. Caberá a ele reunir capitais para grandes projetos, promover a reorganização produtiva do país, através da abertura de capitais das empresas. Mas em qualquer país maduro já há necessidade da mão do Estado quando houver falhas de mercado.
Há muito, empresas modernas brasileiras, gestores públicos, aprenderam a buscar resultados, a colocar o fim na frente dos meios. Mas no debate público brasileiro, ainda não ocorre. Se for necessária a participação do Estado para viabilizar uma hidrelétrica fundamental para o país, preferem que se fique sem a hidrelétrica.
Felizmente sua atuação serve apenas para alegrar plateias.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Se o mundo tivesse 100 pessoas LEGENDADO (premio Cannes)

Ter pinto é crime

Luciano Alvarenga
Uma coisa é o movimento feminista, outra, são as mulheres. Feministas gostam de política, ou pelo menos de terem contra o que levantar suas bandeiras de ódio; mulheres gostam de homens e de uma vida alem da política. O movimento feminista foi desde o princípio, pelo menos aquilo que se pode chamar assim, nos anos 1950, não em direção as mulheres, mas contra os homens. O homem sempre foi o alvo do movimento; não se trata de libertar a mulher seja do que for que se imagine ela precise ser liberta, mas de constranger o masculino de tal forma que o movimento feminista, não as mulheres, tenha mais e mais poder. Aliás, o movimento feminista não está nem ai com as mulheres, basta ver o absoluto silêncio desse movimento em relação à presença de um jogador de vôlei masculino (há quem acredite que lhe terem amputado o pênis e convertê-lo numa vagina, o tornou mulher, kkkkk) num time feminino, sem que isso cause o menor constrangimento político no movimento feminista (aqui é mais…

Sem chão nem utopia

Luciano Alvarenga A grande promessa da modernidade foi oferecer liberdade contra tudo e qualquer coisa que pudesse impedir os indivíduos de fruírem a vida sem amarras. Podemos dizer que, tal liberdade foi conquistada plenamente, e ainda que alguns resquícios de passado, com suas imposições e limites ainda resistam, derretem rapidamente nesse momento; não deixando atrás de si nada que possa servir como estandarte pra novas rebeliões. Não há contra o quê se rebelar. Todos os sólidos do passado, seja moral ou secular, estão liquefeitos; ao indivíduo resta apenas o destino de se guiar, tendo a si mesmo como referência. Ao mesmo tempo em que goza de todas as liberdades, vividas ou sonhadas, realizadas ou posta como possibilidade, o que se desenha nas pegadas daquele indivíduo é o medo, o receio, a insegurança, a incerteza em relação a si mesmo e aos seus destinos possíveis. A própria ideia de destino nada mais é que uma imagem, uma ilusão de quem ainda pensa que se guia de acordo com alguma r…